A Freguesia de Sarilhos Pequenos




 

Em Sarilhos Pequenos, todos os pormenores têm uma história, quase sempre relacionada com a faina no rio. Até às décadas de 60/70 do século XX, o sustento de 90 por cento da população ativa desta freguesia provinha das atividades ribeirinhas. Daí que em algumas portas ainda seja possível ver penduradas as tradicionais redes de pesca que impedem os insetos de entrar. As cores garridas que continuam a ser escolhidas para as fachadas das casas também têm uma ligação com aquela atividade: ainda não há muito tempo, aproveitavam-se as tintas brilhantes dos barcos tradicionais para pintar as paredes exteriores.

 



A própria malha urbana do povoado, em forma de estrela, servia para o proteger dos ventos marítimos. As casas foram-se reunindo num largo central, de costas para o esteiro, a partir do qual seguem ruas e enfiamentos em direção à borda d’água. Em Sarilhos Pequenos, há ainda caminhos que acabam radicalmente em antigas salinas, em áreas de embarque, no estaleiro naval e em portões de quintas onde trabalhavam, sobretudo, as mulheres dos marítimos que, desta forma, participavam no sustento da família. A Quinta do Esteiro Furado (propriedade particular) é uma dessas casas rurais que se pode observar na estrada municipal que liga esta localidade ao Gaio, do lado direito.



 

 

As festas de Sarilhos Pequenos, dedicadas a N.ª Sr.ª da Graça, encerram as festividades no concelho. Para além da procissão com bênção dos barcos típicos locais, não faltam também os espetáculos musicais, as diversões, o artesanato e os comes e bebes.

 

 

 

 

 

 

 

 

Actualizado em ( Quinta, 09 Maio 2013 22:28 )